Este blog encontra-se inativo. Se quiser continuar lendo o que escrevo me acompanhe aqui:http://sheilaromejon.blogspot.com.br/

sábado, 3 de julho de 2010

Introdução à Psicanálise

O primeiro capítulo do livro A General Introduction to Psychoanalysis consiste em uma palestra dada por Freud a estudantes de medicina explicando o que é Psicanálise e as dificuldades enfrentadas por quem deseja se aprofundar no assunto.

Ele fala da impossibilidade de se estudar a Psicanálise da mesma maneira em que se faz na Medicina, observando as características anatômicas, vendo a contração muscular como resultado da estimulação dos nervos, tendo contato com os pacientes e aprendendo sobre os sintomas das doenças através de evidências captadas pelos órgãos dos sentidos. Em Psicanálise boa parte do que acontece é uma troca de palavras entre o paciente e o psicanalista.

E mesmo o aprendizado da Psicanálise se torna mais difícil, pois esta troca de palavras não admite audiência, ou seja, o processo não pode ser demonstrado. Desta maneira, não é possível que o aluno esteja presente durante um tratamento psicanalítico, ele apenas pode ouvir os relatos deste tratamento, e o julgamento que ele faz sobre o tema depente fortemente da confiança que ele tem em seu informante.

Uma outra maneira de aprender Psicanálise, segundo Freud, é aprender consigo mesmo, através do estudo de sua própria personalidade. Adquirindo-se o conhecimento do método psicanalítico, existem vários fenômenos mentais simples que podem ser utilizados como material para a auto análise. Isso seria válido para convencer-se do processo e ganhar confiança na validade de suas concepções, entretanto há limitações. Pode-se ir muito mais longe submetendo-se à análise com um psicanalista capacitado.

Ele fala também de dois pontos essenciais da Psicanálise que são vistos com maus olhos, alvos de preconceito, dificultando sua aceitação.

O primeiro faz parte de sua própria definição, o reconhecimento da existência de uma parte da mente da qual não temos conhecimento, o inconsciente. Para Freud, "a aceitação dos processos mentais inconscientes representa um passo decisivo na direção de uma nova orientação no mundo e na ciência" (tradução minha).

O segundo ponto diz respeito à importância que à Psicanálise dá à relação ente os impulsos sexuais e os transtornos nervosos e mentais. Para ele, a aversão a esta questão é a principal fonte de oposição que a Psicanálise encontrou.


Nenhum comentário:

Postar um comentário