Este blog encontra-se inativo. Se quiser continuar lendo o que escrevo me acompanhe aqui:http://sheilaromejon.blogspot.com.br/

sábado, 21 de agosto de 2010

Cinema

Fui ao cinema na semana passada (sozinha pela primeira vez) assistir "A Origem". Não sei se eu fui esperando demais, porque só tinha ouvido críticas boas, mas me decepcionei. A experiência de ir ao cinema sozinha foi mais interessante do que o filme.

Como fala sobre sonhos fiquei empolgada para assistir. Eu sabia que o filme era de ficção, mas imaginei que fosse sair do cinema pensativa, cheia de questionamentos. Achei bem superficial, muita ação e pouca reflexão. A única coisa que achei legal foi uma imagem do filme que ilustra bem o conceito psicanalítico de "neutralidade". O personagem do Leonardo DiCaprio está atormentado com as culpas do passado e quando "entra na mente" do sujeito cujos sonhos ele deseja manipular estas culpas invadem o sonho na forma de um trem descarrilhado que cruza uma rua movimentada e altera o desenrolar do sonho. Os traumas do passado não permitiram que ele pudesse lidar com o material do inconsciente do outro de forma neutra. Acho que o filme é válido por esta analogia.

Este fim de semana fui assistir "As Melhores Coisas do Mundo". Eu assisti à entrevista da diretora e do ator principal no programa da Marília Gabriela e fiquei curiosa para ver o filme. Me surpreendeu! É um filme simples, despretensioso e verdadeiro. Fui sozinha novamente (estou curtindo a idéia!), tinha uma meia dúzia de pessoas no cinema, senti como se o filme estivesse passando para mim. E a história mexeu comigo, sofri junto com os personagens! Chorei demais em algumas partes, acho que os conflitos e frustrações da adolescência que aparecem no filme despertaram algumas memórias do que vivi nesta época.

Isso é outra coisa interessante de observar, psicanaliticamente falando. Alguns filmes, músicas, livros nos despertam emoções muito fortes, às vezes a gente chora descontroladamente sem nem saber por quê! Provavelmente aquilo mexeu com alguma memória inconsciente. Vale a pena parar para refletir. O que te faz chorar?

2 comentários:

  1. Sheilinha fiquei um tempão pensando na sua pergunta..."O que te faz chorar?" e qual não foi a minha surpresa que comecei a chorar...não por estar deprimida, triste ou algum sentimento reprimido, mas por pensar em quanto tempo eu não prestava atenção em mim...ultimamente tudo meu não me pertence, o tempo, o sono, a vaidade...
    Amei a idéia de ir só ao cinema...um momento realmente seu...poder rir ou chorar ali totalmente a vontade...preciso experimentar um dia desses!

    ResponderExcluir
  2. Acho que faz bem chorar de vez em quando...
    Quanto a ir ao cinema sozinha, eu recomendo :)
    Beijinho e obrigada pela visita!

    ResponderExcluir