Este blog encontra-se inativo. Se quiser continuar lendo o que escrevo me acompanhe aqui:http://sheilaromejon.blogspot.com.br/

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Teoria Geral das Neuroses - Parte 9

Por que as pessoas sofrem de ansiedade?

Freud classifica a ansiedade em dois tipos: a ansiedade objetiva e a ansiedade neurótica. A primeira é a reação à percepção de uma ameaça e deve ser entendida como a expressão do instinto de auto preservação; por exemplo, a ansiedade que surge ao ouvir na TV a previsão de um terremoto. A segunda é um estado de alerta constante em que entre todos os possíveis resultados de cada situação sempre se espera o pior.

Enquanto a primeira é algo pontual e saudável, a segunda é constante e está diretamente ligada à psicologia das neuroses. Mas como?

Freud explica que quando a libido não é totalmente satisfeita, seja através do ato sexual ou da sublimação por outros meios, há ansiedade neurótica. Na repressão da libido, a ansiedade surge como moeda de troca para a apreensão, vergonha, agressividade, raiva ou outro sentimento que possa aparecer.

Mas e nas neuroses em que não se nota a presença da ansiedade? Nestes casos, para fugir da ansiedade, o organismo coloca em seu lugar outros sintomas, como os rituais compulsivos nos pacientes com TOC e as paralisias nas histéricas.

Ele também explica que a ansiedade infantil é do tipo neurótica. A criança pequena não tem medo de animais, altura, objetos pontiagudos ou outras coisas que possam colocar em risco sua segurança, é o adulto quem se ocupa de preservá-la destes perigos (e com o tempo ela aprende isso). Geralmente, ela se sente ansiosa quando fica sozinha, quando fica no escuro (não vê ninguém e se entende sozinha?); logo, a causa da ansiedade é a incapacidade de realizar o desejo de ter a mãe (ou outra pessoa) por perto. A ansiedade é a substituta para a incapacidade de satisfazer sua libido com o objeto de amor que lhe faz falta.

Continua...