Este blog encontra-se inativo. Se quiser continuar lendo o que escrevo me acompanhe aqui:http://sheilaromejon.blogspot.com.br/

segunda-feira, 3 de março de 2014

E a hipnose, funciona?

Acabei de me formar em Psicologia. Finalmente! Agora resolvi criar vergonha na cara e ler a obra completa do Freud. Eu li algumas coisas dele picadas, aqui e ali durante a faculdade, alguns casos clínicos, mas nunca peguei os 24 volumes para ler inteirinhos.

Estou lendo o primeiro volume, que reúne algumas publicações dele chamadas de pré-psicanalíticas e me chamou a atenção o relato de um caso clínico utilizando a hipnose (que era a única técnica utilizada pelo Freud logo no início).

Freud conta o caso de uma mulher entre vinte e trinta anos de idade que era incapaz de amamentar seu bebê recém nascido.

Ela vivia um casamento feliz e teve um parto sem grandes dificuldades. Entretanto, apesar de sua grande vontade de amamentar, sentia muitas dores quando o bebê sugava-lhe o seio, produzia pouco leite, alimentava-se mal (não tinha fome) e sofria de insônia. Depois de quinze dias tentando, desistiu e achou mais prudente que uma ama de leite amamentasse a criança.

Depois de três anos, a mulher teve um outro bebê e novamente viu-se incapaz de amamentá-lo. Os sintomas eram ainda piores. Além dos relatados na experiência anterior, ela vomitava tudo o que ingeria, apresentava-se inquieta e deprimida com a presença da criança. Desta vez optou por evitar a ama de leite e buscar outros recursos para que a amamentação fosse bem sucedida. Os médicos que a atendiam indicaram a sugestão hipnótica e apresentaram Freud à paciente.

Freud conversou com a paciente levando-a ao estado de transe hipnótico e neste momento contestou os possíveis medos referentes à amamentação, disse que ela era capaz de cuidar bem do bebê, que ele cresceria saudável, que ela recuperaria o apetite e que tudo ficaria bem. Ao acordar, ela não se lembrava da conversa, mas no dia seguinte mostrou-se disposta e com fome, alimentou-se bem e conseguiu amamentar o bebê satisfatoriamente. No entanto, na refeição seguinte voltaram os vômitos, a indisposição e a incapacidade de amamentar. E Freud foi chamado novamente.

Após esta segunda sessão de hipnose os sintomas desapareceram por completo e a mulher conseguiu amamentar o bebê sem qualquer impedimento até os oito meses.

Depois de um ano nasceu o terceiro filho e a história se repetiu como nos dois primeiros. Freud foi chamado mais uma vez e após duas sessões de hipnose a mulher viu-se livre dos sintomas e pode prosseguir com a amamentação.

Ao contrário do que muitos pensam, a hipnose não é uma técnica ultrapassada, existem profissionais capacitados que a utilizam ainda hoje. Aparentemente ela é bastante útil como uma solução temporária para algum problema urgente, algo que não possa esperar; mas não atua na causa do problema, não resolve definitivamente (pela própria fala do Freud neste caso clínico percebe-se que a hipnose tem como objetivo silenciar os temores do paciente para que ele possa lidar com a situação momentânea). A mulher que amamenta não pode esperar semanas, meses ou anos de psicoterapia para encontrar a causa raiz de sua dificuldade e solucioná-la, um executivo que tem fobia de avião e se vê prestes a perder um negócio importante não pode esperar para atuar na causa de seu medo, o estudante que tem crises de ansiedade ao ser submetido a um exame não pode esperar estando às vésperas do vestibular.

Nestas situações acredito que a hipnose seja uma técnica interessante. Entretanto é importante alertar o paciente quanto aos riscos de uma "recaída" e conscientizá-lo de que ganhos mais duradouros só seriam alcançados com uma psicoterapia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário