Este blog encontra-se inativo. Se quiser continuar lendo o que escrevo me acompanhe aqui:http://sheilaromejon.blogspot.com.br/

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Explicação e compreensão

Uma coisa que eu acho muito legal na obra do Freud é que ele constantemente retoma conceitos anteriormente abordados e lança um novo olhar, revê, corrige, reformula.

No início do vol. 7 da Obra Completa, antes de apresentar o caso Dora, ele fala sobre as mudanças que implementou em sua técnica. De acordo com ele "a técnica psicanalítica sofreu uma revolução radical".

Ele explica que anteriormente preocupava-se em explicar cada um dos sintomas apresentados pelo paciente (o famoso "Freud explica"), mas com o tempo ele percebeu que esta abordagem não era adequada para "lidar com a estrutura mais fina da neurose". Então passou a deixar que o paciente escolhesse o tema sobre o qual gostaria de falar naquele momento. A partir desta mudança as questões ligadas a um determinado sintoma iam aparecendo aos poucos, em fragmentos, no decorrer das sessões, às vezes de forma bastante dispersa. Para ele "apesar dessa aparente desvantagem, a nova técnica é muito superior à antiga, e é incontestavelmente a única possível".

Para mim esta mudança consiste em sair da explicação para a compreensão. Quando nos preocupamos em explicar algo para alguém nos colocamos em uma posição de superioridade, o sabe-tudo que conhece o paciente mais do que ele mesmo. Quando buscamos compreender o outro ouvimos mais do que falamos, deixamos que ele nos guie através dos temas que ele deseja abordar, no momento em que quiser, da forma como preferir. Na explicação somos nós que apresentamos a solução. Na compreensão acolhemos aquilo que o paciente nos traz e o ajudamos a descobrir as respostas ele mesmo.

E concordo com o Freud, mesmo que esta segunda abordagem possa ser mais demorada, mesmo que o analista tenha que se conter e deixar de dar respostas que já formulou através de associações entre ideias que fez em sua cabeça enquanto o paciente falava, não tenho dúvidas de que ela é a única possível quando o intuito é oferecer ao paciente a possibilidade de se autoanalisar e alcançar a cura através do autoconhecimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário