Este blog encontra-se inativo. Se quiser continuar lendo o que escrevo me acompanhe aqui:http://sheilaromejon.blogspot.com.br/

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Lembranças encobridoras

No vol. 3 de sua Obra Completa, Freud apresenta um conceito que ele chama de "lembranças encobridoras".

Ele explica que em geral aquilo que recordamos de nosso passado são eventos importantes, que de alguma forma causaram em nós um grande impacto. Entretanto muitas vezes nos surpreendemos por esquecer fatos que consideramos importantes e nos lembrar de outros que não parecem ter grande importância.

Freud cita como exemplo a história de um rapaz cuja lembrança mais antiga, de quando tinha entre três e quatro anos de idade, era de uma mesa com uma bacia de gelo em cima. De acordo com os pais dele, nesta mesma época ocorreu a morte da avó do garoto, fato que apesar de ter causado um grande impacto na criança não deixou qualquer lembrança em sua memória quando adulto.

A mesa com a bacia de gelo provavelmente trata-se de uma "lembrança encobridora", ou seja, a recordação de algo trivial que tem ligação com alguma lembrança importante cujos principais elementos foram omitidos. Esta lembrança surge como resultado da luta entre duas forças opostas: uma que quer guardar a experiência devido à sua importância e outra (uma resistência) que quer impedir a manutenção desta memória devido a algum sentimento desagradável gerado por ela.

Este conceito me chamou a atenção devido a uma lembrança que tenho da minha infância, a mais antiga talvez. Na imagem que ficou guardada em minha memória eu estou em casa na companhia de uma prima mais velha e estamos brincando de pisar em um grande plástico bolha. É uma lembrança feliz, em que me acabo de rir com o barulho das bolhinhas estourando. Conversando com minha mãe descobri que fiquei em casa na companhia desta prima quando ela foi com meu pai à maternidade para ter minha irmã, três anos e meio mais nova do que eu. Sobre o plástico bolha, ela me contou que na semana em que minha irmã nasceu eles tinham comprado uma geladeira nova (ou algum outro eletrodoméstico, não me lembro direito agora, tenho que perguntar de novo, rs), que veio envolta em plástico bolha.

É bem provável que o nascimento da minha irmã tenha trazido sentimentos contraditórios, um misto de alegria e ciúme, insegurança, medo talvez, das mudanças que aconteceriam com a sua chegada. Na luta entre as duas forças para guardar a lembrança de seu nascimento, um acontecimento marcante, e esquecer os sentimentos desagradáveis, me esqueci do nascimento e me lembrei do plástico bolha :)

2 comentários: