Este blog encontra-se inativo. Se quiser continuar lendo o que escrevo me acompanhe aqui:http://sheilaromejon.blogspot.com.br/

domingo, 15 de março de 2015

Tendência atualizante

Sempre que eu leio textos sobre psicopatia infantil ou que acompanho discussões sobre a redução da maioridade penal me lembro de um conceito do Carl Rogers, psicólogo humanista, chamado de tendência atualizante.

Dizem que Carl Rogers o formulou a partir da observação das batatas que ficavam armazenadas em um porão úmido e escuro. Ele viu que destas batatas surgiam brotos verdes e concluiu que tendo acesso a um ambiente que fornecesse o mínimo necessário para brotar, a batata gerava uma nova planta. Esta tendência que leva ao crescimento estaria presente também nos seres humanos. 

Para Rogers, esta tendência atualizante é algo inerente ao indivíduo, ou seja, todo ser humano possui dentro de si uma orientação positiva, um fluxo que o direciona para o desenvolvimento de todas as suas potencialidades, levando-o ao crescimento. O quanto ele irá desenvolver-se depende do ambiente em que está inserido.

Certamente as batatas no porão não brotam e crescem da mesma forma que aquelas colocadas em um solo fértil com luz abundante. As batatas que se desenvolvem em um meio mais propício crescerão mais, melhor, mais rápido. O mesmo acontece com o ser humano. Aqueles que vivem em um ambiente acolhedor, em que estão presentes atitudes facilitadoras, encontrarão melhores condições para seu crescimento. Quanto menos acolhedor for o ambiente, maiores serão as dificuldades do indivíduo para se desenvolver.

É por isso que eu não consigo olhar para uma criança ou um adolescente que cresceu em condições precárias, sem o mínimo de cuidado e de carinho e vê-lo como um ser intrinsecamente mau. Provavelmente ele não teve nem uma fresta de luz que permitisse nascer um brotinho verde. É muito difícil exigir que alguém cuja vida nunca teve valor nenhum para ninguém dê algum valor à vida dos outros.

Há alguns dias eu estava conversando com meu filho de dez anos sobre uma criança que vivia provocando os colegas, arrumando briga e que sempre ficava isolada nas brincadeiras. Ele me disse o seguinte: "Ele é assim porque ninguém gosta dele". E eu concordo. Só que a maioria das pessoas inverte essa lógica e insiste que "Ninguém gosta dele porque ele é assim". Mas ninguém se esforça para gostar dele como ele é e dar uma chance para que ele possa tentar ser diferente.

A gente aprende a amar sendo amado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário